Peter Jackson regressa aos cinemas com um dos filmes mais aguardados do ano, “O Hobbit: Uma Viagem Inesperada”, adaptado da obra fantástica de J.R.R. Tolkien, que para quem conhece, é o mesmo escritor da trilogia “O Senhor dos Anéis”, tendo sido o grande sucesso mundial do século XXI. Ficaria na dúvida se este novo filme conseguiria manter a estrutura e o impacto de “O Senhor dos Anéis”, e eis que a resposta foi variada, mas no geral, conquistou os fãs das aventuras destemidas de J.R.R. Tolkien.
OHobbit-uma viagem inesperada
“O Hobbit: Uma Viagem Inesperada” conta, de facto, uma aventura ocorrida 60 anos antes das façanhas que conhecemos do “O Senhor dos Anéis”. Tal como o título nos indica, temos um hobbit como personagem central, Bilbo Baggins, que inesperadamente aceita uma viagem épica a fim de reconquistar a terra dos anões, o Reino de Erebor, que outrora foi dominada pelo dragão Smaug. Assim, Bilbo enfrenta os imprevistos e obstáculos com Gandalf (famoso feiticeiro já conhecido), o guerreiro, líder e príncipe Thorin Escudo-de-Carvalho e treze anões. Nesta viagem, o grupo irá ultrapassar inúmeras terras traiçoeiras recheadas da mais variadas espécies – Goblins, Orcs, Wargs, Aranhas Gigantes e Magos. Mas, apesar do objetivo principal ser chegar à Montanha Solitária, primeiro têm que escapar aos túneis dos Goblins, onde Bilbo irá mudar a sua vida, ao encontrar Gollum, a criatura inesquecível que marcou a trilogia anterior.

O filme mostra ser bem estruturado, com momentos lúdicos e espírito fantástico. Tal como em “O Senhor dos Anéis: A Irmandade do Anel”, o primeiro filme tem sempre um caráter mais explicativo, sendo mais cansativo para uns e mais interessante para outros. Mais uma vez, as peripécias recheadas de ação e destreza fazem parte de “O Hobbit”, com belas paisagens e figuras épicas.

De realçar que a personagem de Bilbo é deveras engraçada e moralizante, pois é dotado de uma personalidade nada coerente com uma “viagem inesperada”, que ao longo da aventura ganha coragem e confiança nos outros e em si próprio. E, é na grande e memorável cena entre Bilbo Baggins e Gollum que este se mostra o verdadeiro hobbit em que Gandalf confiou e, que conduziu à “origem” do famoso anel.

Por fim, apesar de conter momentos previsíveis, é, claramente, uma história bem contada com pequenas e grandes mensagens, destacando como melhor cena a do “my precious” Gollum.

Nota Pessoal: 8/10

O Hobbit: Uma Viagem Inesperada
M12|Aventura, Fantasia|EUA, Nova Zelândia|169m, IMDB: 8,4/10 (136,326 votos)
Anúncios