“Magic Mike” foi um dos filmes com mais sucesso deste ano, pelo menos nos cinemas norte-americanos, conduzindo a que seja projetada uma sequela do filme. Realizada por Steven Soderbergh, cineasta americano já oscarizado, a longa-metragem baseia-se, em parte, na vida do ator Channing Tatum, que já teve como profissão ser stripper, antes de entrar no mundo da representação. Assim, o realizador pretende entrar no mundo do striptease masculino e, a partir daí, explorar as vivências, emoções e a realidade dura e crua.

No filme podemos seguir, então, Mike, um homem ativo, com vários talentos e, por isso, com vários empregos, tendo maior destaque o ser stripper, chamado Magic Mike. Este é considerado o mais desejado do clube “Club Xquisite” há alguns anos, pela sua originalidade e dotes de dançarino acima dos outros, agradando plenamente o carismático Dallas, dono do local. Porém, a narrativa desenrola-se quando Mike conhece Adam, jovem com problemas e à procura de emprego. Aí, Mike apercebe-se do potencial do rapaz e decide torná-lo no seu protegido, ensinando a arte da dança, striptease, festas e atrair mulheres. Tornam-se amigos, e o protagonista conhece a irmã de Adam, Brooke, uma mulher diferente das que Mike está habituada a lidar, sendo um novo desafio, pois terá que conciliar o seu estilo de vida com a possível relação.

Apesar de classificado por muitos como comédia, “Magic Mike” é mais um filme do género dramático, apesar de ter bons momentos de comédia. Muito público achará o filme, por vezes, ridículo, pela exuberância que as cenas com os strippers transmitem: homens musculados de tronco nu e também de cuecas fio dental. Contudo, o objetivo é mesmo mostrar a realidade desta indústria sexual sem preconceito e há que dar o grande mérito pelo trabalho dos atores ao dar vida aos vários strippers.

“Magic Mike” não é, de todo, um grande filme, pela narrativa previsível e relativamente simples, sem grande expansão. No entanto, tem vários lados positivos, que para muitos podem ficar despercebidos, como as críticas à sociedade. É notável o lado do espetáculo do clube noturno, recheado de genuidade. Também, há que realçar a interpretação de Channing Tatum, não só pela sua grande experiência na dança como já se sabia, mas sim na seriedade e maturidade que oferece na sua personagem. Matthew McConaughey também mostra qualidade no seu papel, cativando o público com o seu carisma e pleno à vontade.

Com isto, “Magic Mike” é um filme ligeiro e relativamente previsível, mas criativo, animado e um risco tornado sucesso.

Nota Pessoal: 6,1/10

Magic Mike
M12|Comédia, Drama, Biografia|EUA|110m, IMDB: 6,3/10 (22,677 votos)
Anúncios