“Prometheus” foi o filme de ficção científica que marcou o cinema deste verão. Realizado por Ridley Scott, este é considerado uma prequela de “Alien”, e demonstrou ter grande relevância nas expectativas dos críticos e espectadores. Este novo filme opta por debater-se antes num significado filosófico sobre os nossos “criadores”.

Tudo começa em 2089, quando os exploradores Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e Charlie Holloway (Logan MarshallGreen) encontram a mesma pintura em diversas cavernas na Terra. A partir disto, desenvolvem a teoria de que a pintura conduz para um lugar concreto do Universo, que teria alguma relação com o início da vida no planeta. Peter Weyland, um milionário, é convencido por este casal a investir no assunto, realizando uma cara expedição interestelar. Assim, Elizabeth e Charlie pertencem à tripulação da nave Prometheus, constituída pelo robot David (Michael Fassbender), a diretora Meredith Vickers (Charlize Theron), o capitão Janek, entre outros. David é único que não hiberna em sono criogénico até a nave chegar ao destino, ou seja, em 2093. Quando chegam ao novo planeta, ficam encantados e pensam que estão bastante perto de revelarem o segredo da origem na vida na Terra. Contudo, inicialmente, não percebem que o local é bastante duvidoso.

É de notar que “Prometheus” é bastante ambicioso no sentido de querer explicar a origem da vida e, momentaneamente, criar uma aventura estupenda, tenebrosa e recheada de emoções. É um bom thriller de ficção científica, bem conseguido e escrito. O realizador conseguiu concretizar muito boas cenas, com impacto, de forma a torná-lo num épico deste género. De salientar, a cesariana por “auto-cirurgia”, um grande momento de tensão e com ótima concretização, como também a tempestade ainda no início da aventura.

Para ser uma longa-metragem de ficção científica a alto nível, não deixava de apresentar uma produção fantástica, a nível de cenários e efeitos, como também do elenco. Com isto, Noomi Rapace, a atriz sueca que se fez ver na trilogia Millennium, revela que tem todas as capacidades para pertencer ao cinema de Hollywood, bem como Michael Fassbender, com o seu papel de máquina deslumbrante.

No entanto, pormenores fazem-se notar, existindo algumas falhas em “Prometheus”, como por exemplo, o próprio final. Muito simples e pouco racional, são as palavras adaptadas para o descrever.

Por fim, “Prometheus” tornou-se na lista dos filmes de ficção científica um dos melhores, oferencendo ao espectador grandes momentos de tensão e emoção.

Nota Pessoal: 6,5/10

Prometheus
M12|Ficção Científica, Aventura, Thriller|EUA|124m, IMDB: 7,4/10 (155,512 votos)
Anúncios